terça-feira, 21 de julho de 2009

(coisa antiga da comunidade. preguiça de procurar outras coisas lá... )

A chuva bate na janela, ás vezes suavemente, ás vezes com força, enquanto eu escrevo.

Ou tento escrever.

Consigo apenas formular pensamentos malfeitos e idéias tortuosas a respeito de você.

Você não está comigo. Minha música não está soando, ouço sons mas eles só me dizem que eu não tenho a mínima chance.

Quanto tempo levei para perceber toda sua beleza? Você esteve a meu lado por tanto tempo, e justo quando eu estou quase indo embora, eu percebo você, te quero, e você não pensa em mim, ou não sei.

Coisas que ainda ontem me fizeram rir, hoje parecem apenas amargas. Sons sem sentido, palavras sem significado, lembretes da sua existência, superior a cada um dos problemas, palavras, sons, poemas e músicas.

A maneira como seus cabelos que mal toquei e talvez nunca volte a tocar caem, seu jeito de sorrir quando está envergonhada, meu jeito envergonhado quando você sorri de algo que digo, minha mente que perde todo o sentido quando sente você se aproximando, você que sente, o quê?, quando me vê.

Eu não conheço você como gostaria e acho que nunca vou conhecer, sinto falta dos momentos que nunca passamos juntos, e tenho medo de que eles nunca venham a existir.

Minha imaginação vaga e eu a obrigo a voltar, tenho medo de estar em pouco tempo, onde o arrependimento e frustração colidem, arrependido por não tentar, frustrado por não ter conseguido nem isso.

Espero nunca ter que passar por este momento; esperaria por você, mas não ouso esperar tanto.

4 comentários:

thalyta disse...

gostei =)

Dolorida-colorida disse...

Também gostei. Poderia ter outro título, não acha?

Bruno disse...

rsrs... pois é, bonitinha... poderia ter "algum" título...

mas sei lá... já não tinha originalmente, nem cheguei a pensar em colocar...

se eu tiver uma idéia, eu coloco...

beijoss

Dolorida-colorida disse...

Pois pense, ora essa.