domingo, 14 de junho de 2009

carta de suicídio

Sentado, Emerson Siqueira escrevia um conto que deveria estar em seu próximo livro.

Era o terceiro livro que publicaria. Não havia vendido muito os primeiros, mas gostava do que fazia, e continuava.

O conto, porém, oferecia grande dificuldade. O final era esquivo, e ele não conseguia ficar satisfeito com o início. O meio teria de se adaptar a essas duas coisas, e ele estava cansado.

Foi nesse momento que ligou o som, e começou a ouvir uma música na rádio.

A música era antiga, mas muito bonita. A letra, melhor que qualquer conto ou poesia que ele jamais escrevera. e ele parou.

Naquele momento chegara a uma terrível conclusão.

Olhou para sua estante, preenchida com os livros dos grandes mestres literários de seu tempo e de tempos antigos, e percebeu que jamais estaria à altura deles.

Para se tornar um grande, ele sabia, não bastava esforço. Era necessário gênio, talento natural. e o que possuía, definitivamente não bastava para superar aqueles escritores.

Levantou-se então, em estado de choque.

Que significado poderiam ter suas obras, pensava, quando não eram as melhores? Sua única função seria engrossar a massa de trabalhos razoáveis que fazem a glória dos superiores. Seria apenas "mais um". O trabalho de sua vida, pensou enquanto retirava a arma da caixa de sapatos onde a escondia, não era nada. Era insignificante. E ele não podia fazer nada.

A diarista encontrou seu corpo pela manhã.

2 comentários:

Marcus Vinícius da Silva disse...

É um pensamento recorrente, mas sei lá, a gente tenta, né?
Acredito em talento natural, mas não acredito que ninguém possa fazer algo. Algumas pessoas simplesmente passaram pela infância e sofreram estímulos certos nas horas certas e ficaram mais "predispostas" a uma certa área. As demais, têm que se esforçar para fazer com que o cérebro desmanche as ligações ruins e faça novas ligações boas, e, assim, contruir o talento de verdade.

Abraço!

Bruno disse...

falou bonito!

esforço e estímulo são bons mesmo, especialmente quando somados ao "gênio"...

mas acho que precisa dos três, e quem sabe um pouco de sorte na mistura tb, pra ser um dos melhores...